Telefone (11) 3044-2853

Afinal, o que é parto humanizado?

parto humanizado

Se você está grávida ou pensando em engravidar, já deve ter ouvido falar em parto humanizado. Embora cada vez mais gestantes estejam optando por dar à luz dessa maneira, o assunto ainda é cercado de uma série de mitos e falsos conceitos.

Afinal, o parto humanizado precisa ser feito em casa? Quais são as principais vantagens do parto humanizado? É preciso fazer algum tipo de preparação especial?

Pensando em esclarecer essas e outras dúvidas, criamos o artigo de hoje. Se você quer entender melhor o parto humanizado e saber se ele é a melhor opção para você, acompanhe a leitura!

Afinal, o que é parto humanizado?

Se você buscar na internet, vai encontrar milhares de explicações — algumas, inclusive, bem complexas e carregadas de preconceitos e regras — sobre o que é parto humanizado.

Na verdade, o conceito é mais simples do que parece. O parto humanizado é um conjunto de técnicas e boas práticas que visam transformar a mulher em protagonista do ato de parir.

Em outras palavras, as decisões tomadas pela gestante são levadas mais em consideração do que costuma acontecer no parto convencional. O resultado é um nascimento mais acolhedor. No entanto,  isso não significa deixar de lado a segurança, já que todos os desejos da futura mamãe são discutidos com a equipe médica.

Para o parto ser considerado humanizado, ele precisa ser realizado fora do hospital?

Não. Esse é, aliás, um equívoco muito comum a respeito do assunto. Não é incomum que futuras mamães e até mesmo profissionais da área de saúde confundam erroneamente o conceito de parto humanizado com termos como parto sem anestesia, parto em casa e parto na água.

No entanto, o parto humanizado busca tornar o ato de dar à luz o mais natural possível. Ele é planejado para permitir que a natureza siga seu curso e que as intervenções médicas necessárias para garantir a saúde da futura mamãe e do bebê sejam conversadas e autorizadas previamente pela gestante. No parto humanizado, a mulher tem participação ativa em todo o processo.

Para garantir que o parto humanizado transcorra com segurança, recomendamos que ele seja realizado em ambiente hospitalar. O parto domiciliar está mais comumente relacionado à complicações para a mamãe e para o bebê e, como você pode ver até aqui, sua realização não é necessária para que o parto seja considerado humanizado.

Quais são, então, as principais características do parto humanizado?

As principais características do parto humanizado são:

  • assistência centralizada na mulher e na família;
  • assistência segura e humanizada;
  • acesso e acolhimento;
  • fortalecimento e participação da mulher na tomada de decisões;
  • promoção da gravidez e do parto como um processo saudável e fisiológico;
  • limitação das intervenções ao mínimo necessário;
  • uso apropriado e consciente da tecnologia;
  • equipe multiprofissional atuando de maneira integrada;
  • realização de práticas baseadas na evidência científica e nos direitos da mulher;
  • proporcionar o direito do exercício da autonomia feminina;
  • oferecer direito de escolha e consentimento após ser informada.

Então quer dizer que todo parto normal é humanizado?

Não. Independentemente de serem ou não necessários, muitos procedimentos são considerados de rotina por alguns obstetras e hospitais, como limitação de movimentação, iluminação e ruídos excessivos, depilação da região genital e uso de fórceps. Por isso, eles acabam sendo realizados sem  prévia orientação ou consentimento da futura mamãe, o que vai contra os pilares do parto humanizado.

É importante deixar claro que intervenções médicas e o uso da tecnologia não descaracterizam o parto humanizado. Entretanto, esses procedimentos precisam ser esclarecidos para a gestante, que precisa ter a opção de exercer seu direito de escolha.

É preciso preparar-se para o parto humanizado?

Sim. Quanto mais preparada a gestante estiver, maiores são as chances de que ela tenha um parto tranquilo e sem intercorrências.

O primeiro passo é buscar profissionais competentes e especializados. É preciso que eles saibam conduzir um parto humanizado e que tenham motivação e experiência para guiá-la nessa jornada. O ideal é contar com uma equipe multidisciplinar, normalmente composta pelo obstetra, seu auxiliar, doula e fisioterapeuta.

A preparação para o parto humanizado começa nas primeiras consultas do pré-natal. É nesse momento que o obstetra vai verificar as condições saúde da gestante e do bebê para verificar se eles estão aptos a realizar um parto com intervenções mínimas.

É essencial que a futura mamãe use as consultas para tirar todas as suas dúvidas sobre a gestação e o parto. Não se sinta constrangida em revelar temores e inseguranças, por mais simples que eles possam parecer.

Somente bem informada é que ela poderá, em conjunto com a equipe médica, tomar as melhores decisões tanto para ela quanto para o bebê. Também é uma boa ideia, caso a gestante se sinta confortável, trocar experiências e impressões com outras mamães que tiveram seus filhos via parto humanizado ou que estejam pensando no assunto.

Preparo físico

Além da preparação emocional, é essencial fazer também uma avaliação com uma fisioterapeuta durante o pré-natal. Ela é a profissional adequada para avaliar o seu períneo e assoalho pélvico e indicar as melhores práticas para aumentar as chances de sucesso de um parto normal.

Outro elemento importante na preparação para um parto humanizado é investir em um plano de atividades físicas. Se você é sedentária, não é necessário exagerar. Praticar atividades leves, como caminhadas, pilates, hidroginástica e yoga já traz uma série de benefícios para o seu organismo.

A medida visa aumentar o fortalecimento muscular, especialmente da região abdominal, e ampliar a consciência corporal, contribuindo para o sucesso do parto normal humanizado.

No parto humanizado é realizada a episiotomia?

Durante um longo período, a episiotomia foi um procedimento cirúrgico realizado quase como rotina na assistência médica ao parto.

A medida, que consiste em realizar um corte no períneo para facilitar a passagem do bebê, normalmente não é utilizada em um parto humanizado.  É importante lembrar que a episiotomia deve obedecer a uma indicação clara materna ou fetal.

O procedimento só deverá ser realizado para evitar lacerações graves na gestante ou quando a passagem do bebê for prejudicada por um alongamento insuficiente do períneo.

O parto cesárea não pode ser humanizado?

Sim. Ao contrário do que muita gente imagina, a cesariana ou parto cesária também pode ser humanizado. No entanto, como se trata de um procedimento cirúrgico, ele só deve ser realizado em casos de real necessidade, com indicações precisas, visando garantir a saúde e bem-estar tanto da gestante quando do bebê.

Além disso, para uma cesariana ser considerada humanizada, todas as outras condições referentes ao parto humanizado precisam ser cumpridas. Isso quer dizer realizar práticas que contribuam para um profundo respeito às decisões tomadas pela gestante.

É importante que a grávida esteja acompanhada de seu companheiro ou de uma pessoa escolhida por ela no centro cirúrgico. Se for possível, mamãe e bebê também devem ficar juntos logo após o nascimento. Além disso, a criança deve ser amamentada nesses primeiros momentos.

Também é essencial que, sempre que não comprometer a segurança, a participação da gestante no parto seja a maior possível. Para tanto, ela deve ser informada pelo seu obstetra sobre os procedimentos que estão sendo realizados e os campos cirúrgicos devem ser abaixados para que ela possa ver o momento exato do nascimento do seu bebê.

Na cesárea humanizada, o bebê é retirado com calma e o corte do cordão umbilical não é feito imediatamente. Geralmente, o obstetra espera que ele pare de pulsar para realizar o procedimento. Quando possível, o médico permite também que o companheiro faça o corte. Além disso, são tomadas medidas para diminuir o ruído e a luz no momento do nascimento.

Quais são as principais vantagens do parto humanizado para a gestante e o bebê?

Como tem mais autonomia para tomar decisões ao lado da equipe médica que a acompanha, a gestante participa ativamente de todos os detalhes que envolvem o nascimento do bebê, o que oferece mais segurança para que o trabalho de parto aconteça de maneira tranquila e acolhedora.

Além disso, o parto humanizado possibilita o uso de técnicas de alívio da dor, como massagens,  oferece liberdade de movimentos e ajuda a reduzir o índice de depressão pós-parto, além de aumentar o vínculo entre mamãe e bebê devido ao contato e amamentação imediatos.

Para o bebê, o parto humanizado também é extremamente vantajoso. Os riscos de doenças respiratórias e da passagem de secreção do parto para o pulmão são diminuídos. Também há estudos que indicam melhores índices de vitalidade em bebês que nasceram desse modo.

Além disso, há menor risco associado às manobras cirúrgicas, redução de intervenções e contato imediato com a mãe após o nascimento.

Lembre-se sempre de que o parto deve ser encarado como uma solução, e não como um problema. Então, é importante conhecer bem todo o processo e tirar suas dúvidas com a equipe médica. Assim você poderá tomar decisões com confiança e segurança, fazendo as melhores escolhas tanto para você quanto para o bebê.

Gostou de saber mais sobre o parto humanizado? Então divulgue esse post em suas redes sociais para que mais mamães possam se informar sobre o tema!

Se você quiser saber mais sobre o parto humanizado, assista também o vídeo abaixo!