Telefone (11) 3044-2853

Fertilização in vitro

Quando fazer a fertilização in vitro?

A modalidade de fertilização in vitro e da transferência embrionária (FIV-TE) denominada como uma “Técnica de Alta Complexidade”, estão entre as técnicas de reprodução assistida que oferecem maior chance de gestações a casais inférteis.

Na fertilização in vitro (FIV) os espermatozóides, após processamento, são colocados conjuntamente com os óvulos em um meio de cultura, para que ocorra a fertilização espontânea in vitro (FIV convencional ou clássica).

Uma das variantes da FIV é a assim chamada “injeção intracitoplasmática de espermatozóides” (ICSI), na qual a fertilização dos óvulos é provocada mecanicamente pelo depósito de um gameta masculino diretamente dentro do citoplasma ovocitário. Os embriões resultantes dos procedimentos, com 3 a 5 dias de evolução in vitro, são habitualmente depositados diretamente no fundo uterino, técnica conhecida como transferência de embriões (FIV-TE).

Fatores que determinam escolha da técnica mais adequada

A escolha pela realização de FIV dependerá da quantidade de espermatozoides na amostra utilizada. A literatura cita número menor de 5 milhões de espermatozoides como indicação desta técnica.

Já a ICSI poderá ser realizada com uma quantidade ainda menor de espermatozoide mostrando ser muito eficiente nestes casos de alterações seminais graves. Por meio desta técnica é possível obter boas taxas de fertilização, mesmo com a recuperação de um numero muito reduzido de espermatozoides do ejaculado e até dos epidídimos e testículos.